Arquivo da tag: arte

Peças encontradas na loja Shop MAM

Gostou destas BIJUS?
Você ira encontrar na Loja SHOP MAM, no prédio do Museu de Arte Moderna – Parque Ibirapuera. Além destas peças veja a Coleção Bem me quer e Mini rosa. A quase 5 anos me orgulho em participar do acervo da Loja do Museu com outros Designer que admiro.
Betania Sampaio, bijusEstas são algumas das peças entreguem hoje na Loja SHOPMAM, Coleção Semente e Coleção Semente Juntas, colares curto e longo.
Betania Sampaio, bijuSobre a Coleção Semente. Adoro o Colar curto que adapta ao seu pescoço, sabia que ele tem vida própria, a minha mãe, LUCIA BEZERRA, com sua dedicação e mãos caprichosas se encarrega em monta-lo, e… As rodinhas individualmente vão se acomodando. Aqui tem mais Coleção Semente e Semente Juntas.
Colar, bijusAh! Já que ADQUIRIU uma peça BETANIA SAMPAIO, Aproveite e visite a exposição Adriana Varejão, e já que estar no Parque Ibirapuera e já tirou o dia pra bons momentos e a pra ¨Arte¨ caminhe até o prédio ao lado e vá se deliciar com a 30ª Bienal de Arte de São Paulo.

Bjs.  e boa compras e passeio, Betânia 

Anúncios

Tradição é tradição

Família Barth tem tradição na ¨arte da moda¨, com calçados, bolsas e tudo mais que valorize a mulher, no dia 18 de abril, foi inaugurada mais uma loja dando continuidade aos quase 100 anos no mercado de Itapetininga com as marcas tradicionais como; Casa Astor, fundada em 1927, Gilda Boutique, fundada em 1973 e agora Melissa Barth By Gilda. Click aqui para saber mais como surgiram as marcas.

Melissa Barth,

Agora a Melissa Barth continua a tradição da familia e inovando sempre alem de usar toda a experiência acumulado com seus pais e avos, ¨Os Barths¨ sempre oferecendo os melhores produtos e possibilidades variadas de fazer o produto chegar a você.

Melissa Barth
Inovando mais uma vez a Melissa Barth criou um serviço especial delivery, achei o carro um charme, vc não achou?

Melissa Barth

Há pedidos dos amigos e clientes…

Melissa Barth vai onde você a solicita, é por isso que dia 30 de junho vai haver um encontro em São Paulo para as clientes Vips da Melissa Barth by Gilda, caso queira saber mais sobre este encontro  envie um e-mail para  contato@melissabarth.com.br; ela terá o máximo prazer em te atender.

Melissa Barth by Gilda, Convida as amigas para desfrutar de uma tarde deliciosa no conceito exclusivo STORE IN HOUSE.
Local : Rua Guarara, 364 (esquina c/ a Alameda Campinas) apto 82
Jardim Paulista – São Paulo – Telefone Mê (15) 7834-7692
Horário: das 11:00 as 20:00 hs
Venha tomar um champanhe conosco e conhecer os modelos de inverno que estão fazendo o maior sucesso !!

Bjs e te vejo no Encontro. Betânia Sampaio

Loja da FAAP, designer só pra você

Não perca a chance de obter produtos feitos só pra você.
Acessorios Betânia SampaioNa loja FAAP alem dos catálogos das exposições você vai encontrar à venda objetos de papelaria: cadernos, álbuns, cartões e livros, decoração: luminárias, vasos, cerâmicas, máscaras, velas, moda/ acessórios: camisetas, bolsas, xales, joias e acessórios de designer renomados.

Entre eles: Betânia Sampaio, Irmãos Campana, Paula Ferber, Antonio Bernardo, Marcenaria Trancoso, Zona Zero, Cosac & Naif, Maria Bello, Chico Macchione, Teca Leopoldo, Nutz Luminárias, Laerte Ramos, Marina Sheetikoff Pratas, Lexon, Patrícia Magano, Helena Magano, entre outros.Betania Sampaio, Acessorio

Loja MAB-FAAP, ao lado das salas de exposições
Fundação  Armando  Alvares  Penteado

End: Rua Alagoas, 903 – Prédio 1 – Tel: (11) 3662.7197
Horário de funcio.: de 3ª a 6ª feira, das 11h às 19h
Sábados,  domingos e  feriados, das 13h às 17h
(Fechado às 2as feiras, inclusive quando feriado).

Betania Sampaio

Refazendo os detalhes

Este já tinha terminado esta tela e resolvi acrescentar uns detalhes. Gostou?

Betania Sampaio, artes plastica

Liberdade 160 x 80, Betânia Sampaio

Pintando sempre

Meus últimos trabalhos, no final de semana passado. Gostou?

Betânia Sampaio, artes plastica

Retalhos, 140 x 70, Betânia Sampaio

Betânia Sampaio, Artes Plastica

Ciclo, 60 x 40, Betania Sampaio

Arte da Vila, 10 anos

Sinto-me em OLINDA… (nas devidas proporções)

 Vila Madalena, em São Paulo, é conhecido por respiramos ¨Arte¨, as galerias, ateliês, lojas com produtos únicos e diferenciados e claro vida boêmica do Bairro.Vila Madalena Nos dias 14 e 15 de abril, a grande mostra cultural “Arte da Vila” completa 10 anos de sua existência no local, tendo como tema o próprio bairro, e trazendo ao visitante obras com nuances modernistas, em comemoração também aos 90 anos da Semana de Arte Moderna. 
No site da ¨Arte da Vila¨ poderá ver os  Participantes e Roteiros
Data: 14 e 15 de abril de 2012
Horário: 10h às 19h
Local: Bairro Vila Madalena – São Paulo/SP (próximo à estação Vila Madalena do Metrô) evento disponibilizará vans que partirão do metrô Vila Madalena, gratuitamente, realizando percursos variados que passam por todos os ateliês. Contato: (11) 3034-7414.

Ah! Ao passar pela Vila Madalena dê uma passadinha na La da Venda, Rua Harmonia, 161 – Vila Madalena. Tem peças minhas, sei que vai adorar Betânia SampaioBijus

Cinquentenário da Semana de Arte Moderna

Oi, Betânia, vamos em frente que atrás vem gente. Continue mantendo seu blog como um canal alternativo de comunicação independente entre os arquitetos que estão na contramão da Arquitetura oficial e das revistas do Sul. Com um abração, wolf
 Arquitetura & Realidade

SEMANA QUE ABRIU AS PORTAS PARA A MODERNIDADE BRASILEIRA

Há 90 anos, acontecia em São Paulo, a Grande Semana de Arte Moderna. O evento, segundo os críticos, representou a carta de alforria de independência da cultura brasileira, ao se libertar do domínio cultural europeu, Evento que ocorreu no Teatro Municipal, projeto do engenheiro-arquiteto Ramos de Azevedo de 1911 que, por sinal, acaba de ser revitalizado.Semana de arte moderna

A Semana, na opinião do cineasta e crítico Arnaldo Jabor, acabou ao longo dos tempos, numa espécie de efeitos colaterais, fecundando movimentos e transformações culturais significativos, como a valorização do folclore popular, do barroco mineiro, da  tropicália, do cinema novo e, inclusive, da Arquitetura Moderna brasileira.

A Casa Modernista, de Gregori Warchavchik, de 1923, cujas linhas retas e racionalistas provocaram a ira de arquitetos acadêmicos da época, também só foi possível graças a esse sopro de renovação. Vale ressaltar que o folclore foi supervalorizado pela divina Janete Costa, autora do livro “Viva o povo brasileiro, ao incluir em seus projetos de interiores elementos da cultura popular nordestina. Sem medo de pecar, diria que as bijuterias feitas com fitas e miçangas de nossa amiga Betânia também estariam nessa cadeia de produção criativa.

A Grande Semana, enfim, reuniu expoentes intelectuais, entre os quais, o poeta Mário de Andrade, o principal articulador do evento, autor do emblemático Macunaíma, um herói sem nenhum caráter. Que, na interpretação de muitos, seria a tradução do caráter e índole do povo brasileiro caracterizado pela irreverência, sensualidade, malícia, indolência, malandragem e ingenuidade. Macunaíma, inclusive, foi tema de um filme produzido por Joaquim Pedro de Andrade, com participação do inesquecível Grande Otelo.Tatro municipal

O hit de sucesso “Ai, se eu te pego”, de Michel Teló, seria um reflexo atual disso, assim como foi o “Vira-Vira”, do Mamomas Assassinas. Ou o grito de guerra  “Teeresinhaaa”!do saudoso Chacrinha. Assim, como, foi a canção “Eu vou pra Maracangaia…”,  de Juca Chaves sobre JK e Brasília.. Ou, ainda, os filmes do “caipira “Mazzaropi¨, a exemplo do “Zeca Tatu” e “O corintiano”, que, apesar de marginalizado pela crítica, levou multidões aos cinemas. E, também, as coreografias do genial Paulo Barros, da Unidos da Tijuca, que deverá coreografar a solenidade de abertura da Copa de 2014…

Além de Mário, participaram da Semana, o poeta Menoti del Picchia, Oswald de Andrade, autor do polêmico “Paulicéia desvairada” e da peça “O rei da vela”, encenada, sob a a direção do iconoclasta  Zé Celso, nos anos 70 , pelo teatro Oficina. E Tarsila do Amaral, que depois de sua fase cubista e social, com “Pau brasil” e “Os operários”, inaugurou o movimento antrofágico brasileiro, a tradução mais perfeita, a meu ver, de nosso jeito de ser brasileiro.

Para concluir, invocaria o comentário do crítico Franklin de Oliveira, a respeito do cinquentenário da Semana, registrado na publicação A Grande Semana de Arte Moderna”, coordenada por Yan de Almeida Prado. Ou seja: ¨…a melhor maneira de festejar o cinquentenário (e, agora, os 90 anos) da Semana de Arte Moderna seria criar um novo Modernismo”, frente a um cenário cultural e arquitetônico atual tão carente, refém, ainda, de um mercado imobiliário movido pela especulação e estilos ¨tipo Miami!¨

José Wolf, São Paulo

Pra complementar este texto maravilhoso do meu amigo Wolf, veja os posts da minha amiga Patricia Cassemiro que cita o Chacrinha, um poste que fiz sobre a Janete Costa. 

Bjs Wolf e obrigada por esta leitura deliciosa. Betânia Sampaio